<$BlogRSDUrl$> A Botica
Actualizar ->  Voltar ao Impressões

A Botica

Este blogue é complementar ao Impressões de um Boticário de Proví­ncia.

segunda-feira, maio 07, 2012

A sustentabilidade das farmácias e o medo dos medicamentos caros 

No Público de hoje, Francisco Batel Marques e José Aranda da Silva, muito bem:

«Uma das mais recentes medidas da política de saúde incidiu sobre as margens de lucro na comercialização dos medicamentos. Esta medida é imposta pelo denominado Memorando de Entendimento (MoU) que refere que deve ser tida em conta a experiência de outros estados membros . À cabeça a medida deverá reflectir um impacto no encargo financeiro directo do Estado e dos doentes, decorrente da diminuição das margens de comercialização do circuito de distribuição e de dispensa dos medicamentos: grossistas e farmácias. Esta medida, enquanto componente de um pacote mais lato na área do medicamento, integra o plano de recuperação da economia portugesa, e caracteriza-se, no que às farmácias diz respeito, por três eixos fundamentais, a saber:

1. regressividade das margens de lucro em função do preço do medicamento, isto é, quanto maior o preço, menor a margem de lucro;
2. pagamento de um quantitativo complementar fixo, independente da margem de lucro da farmácia, como forma de remuneração do serviço prestado pelo farmacêutico, e
3. existência de um tecto, ou seja, de um preço, a partir do qual a farmácia deixa de ter margem de lucro, passando a receber um valor constante.

Esta situação é nova entre nós e criou um novo cenário do exercício da actividade do farmacêutico e no modelo remuneratório da farmácia.

Primeiro, porque afasta a farmácia do princípio de que quanto mais caro for o medicamento, mais ganha.

Segundo, porque estabelece o reconhecimento do acto do farmacêutico ao estabelecer uma remuneração pelo seu serviço em cada medicamento prescrito e comparticipado que cede aos seus doentes.

Terceiro, porque retira a base de sustentação ao argumento de que a actividade farmacêutica é meramente comercial.

Quarto, porque cai pela base a ideia, tantas vezes e tão intensivamente propalada, de que a farmácia é um custo acrescido para o sistema de saúde e não um serviço que lhe acrescenta valor.

Quinto, porque desapareceu a justificação para que certos medicamentos tidos por muito caros, e que constituem inovações terapêuticas, estejam acessíveis apenas nos hospitais, com o argumento de que a margem de lucro das farmácias os tornaria ainda muito mais caros. 

Importa, aqui e agora, afirmar que as farmácias e a actividade dos farmacêuticos são hoje remuneradas por margens lucro que diminuem à medida que o preço do medicamento aumenta e que, para medicamentos com preço igual ou superior a 50.01 €, (preço de venda do laboratório ao armazenista - PVA), deixa de existir margem, havendo lugar  a um valor máximo, fixo, de 10.35 € por embalagem cedida. A progressividade da redução das margens de lucro, fez-se acompanhar de um pagamento suplementar por embalagem de medicamento, em função do PVA, e cujo intervalo de valores se situa entre os 0,11€ e 1,15€. 
Ao analisarmos a legislação publicada (decreto lei nº 112/2011) para margem e taxa constantes, não é descortinável nem a a experiência de outros estados membros da UE, como estava previsto no MoU, nem a fundamentação objectiva de tais valores. Na realidade os valores remuneratórios estabelecidos como correspondentes ao acto do farmacêutico são vexatórios, o que, por si, deve excluir qualquer comentário sério. 
. A actividade e o exercício da profissão de farmacêutico numa farmácia são, hoje, muito exigentes. Não apenas pelas complexidades técnica, científica, administrativa e burocrática do processamento da prescrição médica, desde o atendimento do doente até à facturação e recebimento dos pagadores, mas sobretudo pela necessidade de, num ponto nodal da prestação de cuidados de saúde – o acesso ao medicamento e a sua adequação ao doente concreto – ter de gerir em tempo real as necessidades dos utentes associadas a uma regulamentação complexa, dificil de aplicar e, quantas vezes, contraditória. Todo este sistema tem custos, actualmente muito elevados e que a farmácia, e só a farmácia, suporta, mas cujos benefícios revertem para o estado, para a indústria farmacêutica, para os doentes, para os outros profissionais de saúde e para a sociedade em geral.
Assim sendo, todos os agentes têm de estar conscientes de que as farmácias vivem, actualmente, uma situação financeira (e económica) muitíssimo delicada e estão a ser objecto de sucessivas e simultâneas medidas que, a não serem cuidadosamente corrigidas, determinarão, em muitos casos, o seu encerramento a muito curto prazo. A título de exemplo, é útil que todos saibam que um medicamento para o colesterol (sinvastatina) com um número de comprimidos necessário para dois meses de tratamento, custa, actualmente, praticamente o mesmo que vinte comprimidos de paracetamol para a febre e as dores de cabeça: pouco mais de um euro e meio e tem menos valor que um pacote de rebuçados. Doze meses atrás custava, em média, cerca de 15€. E de que estes exemplos se somam diariamente. E porquê esta situação: porque a diminuição dos preços dos medicamentos, particularmente os genéricos (que em cinco anos baixaram em termos médios 56%) conjuntamente à regressividade das margens de lucro e aos valores estabelecidos para remunerar o acto do farmacêutico ,que não se baseiam em quaisquer tipo de  estudos nem na comparação com outros países , não permite que as farmácias continuem sustentáveis. Estamos expectantes e atentos ao acompanhamento da execução das medidas, tal como estabelecido na actual legislação ao determinar que os impactos económico, financeiro e social da sua aplicação sejam objecto de relatório a elaborar pelo INFARMED, I. P.,e pela DGAE, a apresentar aos membros do governo responsáveis pela área da economia e da saúde no prazo de 180 dias.
Acontece que quem determina o preço dos medicamentos não são as farmácias: é o estado e a indústria farmacêutica. Acontece que uma farmácia não determina o que vende: é o médico e a sua prescrição. Acontece, ainda, que a venda de medicamentos não sujeitos a receita médica fora das farmácias está concentrada nos hipermercados.
Ou seja: se não autonomizarmos, rápida e  totalmente, a remuneração da farmácia e do farmacêutico do preço do medicamento, estabelecendo valores de remuneração dos farmacêuticos que, não apenas viabilizem a actividade da farmácia, mas que simultâneamente correspondam ao justo valor da actividade de um profissional de saúde com elevada diferenciação técnico-científica, deixaremos de ter cobertura e assistencia farmacêutica capazes e niveladas por padrões civilizacionais compatíveis com indicadores de saúde característicos de sociedades evoluídas.
Os responsáveis políticos em saúde têm nas farmácias e nos farmacêuticos um aliado estratégico insubstituível à sustentabilidade do serviço nacional e do sistema português de saúde. Os doentes têm nas farmácias unidades de prestação de serviços de saúde que constituem apoios essenciais à gestão do seu processo de doença. Os médicos, enfermeiros e outros profissionais têm nas farmácias e nos farmacêuticos de oficina aliados fundamentais à prossecução dos objectivos clínicos, humanisticos e económicos decorrentes das suas actividades assistenciais.

Os portugueses devem saber que as suas farmácias hoje ganham tanto menos quanto mais caro é o medicamento comparticipado que compram.

Os decisores políticos devem saber que ou assumem a remuneração sustentável das farmácias e dos farmacêuticos, assumindo, simultaneamente, que o preço e a comparticipação dos medicamentos é um negócio da sua responsabilidade entre o estado e a indústria farmacêutica, ou os portugueses incorrem crescentemente no risco de virem a não ter farmácias ... nem medicamentos em Portugal.»

Peliteiro,   às  00:38

Comentários:

 

He pá! Então foram longos anos de um fartote de dinheiro a ser ganho pelas farmácias à custa do zé pagode. Esta medida lançada pelo governo, além de justa e correcta peca por muito tardia.

Então as farmácias não queriam os genéricos? Ja nao percebo nada

 

 

 

As farmacia ganham muito com medicamentos, é realmente grande a margem de lucro delas, por mais que tentem explicar, não há explicação. O que há realmente é uma exploração de quem precisa de medicamentos.
# por Anonymous Anónimo : terça jul 03, 09:08:00 da tarde

 

 

Enviar um comentário

 

 

 

 

ARQUIVOS

Abril 2006     Outubro 2006     Novembro 2006     Janeiro 2007     Março 2007     Maio 2009     Junho 2009     Julho 2009     Dezembro 2011     Maio 2012    

Impressões de um Boticário de Província

O efervescente

Que raio de Saúde a nossa

Saúde na Beira Interior

Saúde SA

 

 

 


Directórios de Blogues:


Os mais lidos

Os mais frescos

blog search

Blog Memes

Estou no Blog.com.pt

 

 

Contactos e perfil do autor
My status

 

 

Póvoa de Varzim; Porto; Portugal
Portuguese flag

Blogues favoritos:


Foot Bicancas

Marretas

Povoaonline

Cá 70

Pé de meia

Voando sobre dúvidas

AntiVilacondense

Vila do Conde Quasi Diário

Prazeres do diabo

Culinária daqui e d'ali

Blasfémias

Núcleo Duro de Farmácia

Ultimo Reduto

Bloga-me mucho

Esperando o tal Godot, ou isso

Lápis de cor

Abrupto

Mar Salgado

Carla de Elsinore

In my secret life

Portugal dos pequeninos

Tomar Partido

Avenida Central de Braga

Médico explica

31 da Armada

Ma-Schamba

Câmara Corporativa

Navego, logo existo

Grande loja do queijo Limiano

Dragoscópio

O insurgente

Peopleware



Ligações:

Diário da República

Jornais, Rádio e TV

Ordem dos Farmacêuticos

Infarmed

Genéricos on-line

Ministério da Saúde

D. G. Saúde

Portal da Saúde

EMEA

O M S

F D A

C D C

Nature

Science

The Lancet

National library medicine US

A N F

Universidade de Coimbra

Bioforma

A.F.PALOP

Farmacêuticos sem fronteiras

Farmacêuticos mundi


Anamnese

Galeria de arte Rasiel's

Rotas

O Tempo

Portal da Póvoa

This page is powered by Blogger. Isn't yours?


referer referrer referers referrers http_referer